12/12/2016 às 21h45min - Atualizada em 12/12/2016 às 21h45min

NF-e: 5 fatores na hora de escolher o novo emissor

Com o fim da solução gratuita oferecida pela Sefaz, PMEs precisam adotar outro software de mensageria para notas fiscais eletrônicas

Lara Vendramini - Press Works

Com o fim da solução gratuita oferecida pela Sefaz, PMEs precisam adotar outro software de mensageria para notas fiscais eletrônicas (Foto: Reprodução/Pixabay)

Quando o relógio marcar o primeiro minuto de 2017, as resoluções de ano novo não serão as únicas a caírem no esquecimento: as soluções gratuitas emissoras de NF-e (nota fiscal eletrônica) de todos os estados brasileiros serão descontinuadas no próximo ano, com o fim das atualizações, suporte e novos downloads já desde 1º de janeiro. A mudança no cenário fiscal nacional exigirá que empreendedores que dependiam desses softwares escolham um novo sistema de emissão.

Disponíveis desde 2006, os softwares desenvolvidos pelas Sefaz (Secretarias da Fazenda) conquistavam a preferência de PMEs pela economia e simplicidade. Para Horacio Menin, sócio da Gosocket, plataforma de emissão e recebimento de NF-e, cinco critérios ajudam a escolher um substituto à altura.

1 – Gratuidade
Um aspecto que ganha ainda mais importância frente ao contexto econômico brasileiro, a mudança no sistema emissor não deve gerar gastos extras para a empresa. Portanto, uma solução gratuita é a visada em um primeiro momento.

2 – Facilidade de uso
Adotar uma solução que seja de uso simples e, de preferência, com interface semelhante à utilizada pelo sistema da Sefaz acelera o processo de adaptação. "Alterar o ambiente virtual onde é feita uma tarefa cotidiana da empresa pode gerar desperdício de tempo e estresse desnecessário da equipe", avalia Menin.

3 – Disponibilidade
A mudança pode trazer benefícios: uma das desvantagens dos softwares da Sefaz era a necessidade de serem instalados no computador, sujeitos a todo o tipo de falha física e eletrônica. "Nesse momento, uma boa ideia é buscar uma solução em nuvem", diz Menin. A Gosocket, por exemplo, utiliza a plataforma Azure, da Microsoft, que garante uma disponibilidade de 99,9% no sistema.

4 – Armazenagem
Além de emitir as NF-e, algumas soluções também oferecem a capacidade de armazenar e disponibilizar em formato aberto (como XML) cada uma das notas – por exigência do Ministério da Fazenda, é necessário manter cópias dos documentos por cinco anos mais o ano corrente de emissão, no mínimo. "Há diversos modelos para isso. Na Gosocket, oferecemos entre seis meses e um ano de armazenagem gratuita, dependendo do volume de notas, benefício que pode ser estendido indefinidamente por um preço baixo", afirma Menin.

5 – Suporte
Mesmo gratuito, o ideal é que o novo sistema emissor de NF-e ofereça canais de suporte. Na Gosocket há a opção de chat incorporado ao software para esclarecimento de dúvidas e orientações, assim como e-mail para chamados de suporte. Além disso, um bom manual é essencial, frisa o especialista.

Link
Tags »
Gosocket Sefaz notas fiscais eletrônicas
Notícias Relacionadas »
Comentários »
Moeda Valor
Dólar 3.1276
Euro 3.7359
Peso Argentino 0.1811
Bitcoin 13143.95